quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

Santo Natal


Caros amigos...


E mais um ano estamos nesta quadra natalícia que delícia milhares e milhares de pessoas por todo o mundo, pessoalmente acho que o sentir que se partilha no Natal se deveria arrastar por todos os dias do ano, mas um par de dias já é melhor que nada. Sendo que em muitos casos as “boas acções” se revestem de uma hipocrisia mal disfarçada, ainda assim, bendita a sorte dos eternos esquecidos que entram na memória dos “Senhores do Natal” durante 15 dias. A mim simples “utilizador” do Natal, expresso aqui a todos os que dia após dia, ano após ano partilharam comigo experiências deliciosas os desejos de um Santo Natal e um Feliz Ano Novo, que seja um 2010 cheio de concretizações profissionais e pessoais.

À minha filhota, minha pequena Fénix, minha estrela do “Sul”... além de tudo isto deixo-lhe no sapatinho uma prenda exclusiva que não posso dar a mais ninguém... deixo-lhe Amor de Pai.


Beijos e Abraços Natalícios

Das Chamas do Fénix

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Vida

No romper das noites brota uma luz
Brilho invisível que me cativa...me seduz
Na existência que deriva para além do olhar
No tempo que um dia me foi dado para partilhar...
Ou simplesmente egoistamente em mim guardar
Imaginação que voas para além das realidades
Mundos meus...só meus... dos sonhos por sonhar
Nas asas caídas das saudades
Calda de desejos ... sentires não esquecidos
Seiva que já vi correr... escorrer nos meus sentidos
Sinto o todo que não vejo
Desejo tudo sem qualquer pejo
Procuro com pontas dos dedos
Uma brisa perdida na presença dos medos
Ar ... silhueta do nada esguia
Carne inerte que não puxa... que não me guia
Teima em manter-se afastada
Alongo o querer nesta ânsia de te ter
E ainda assim não te alcanço
Tanto que há a perder... no nada fazer
No cansaço do meu descanso
Que terei de fazer para te alcançar
Se estas asas desnudas de penas já não sabem voar
Como te acorrento a mim se andas perdida
Intangível és tu que outros baptizaram com a palavra “vida”

Beijos e Abraços
Das Chamas do Fénix

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

A SMS (Atenção + 18 anos)


Preso no trânsito caótico da grande Lisboa, sinto o trepidar do meu telemóvel no bolso, penso “bolas mais um problema para resolver” ...
Cansado, suado, aborrecido por um dia repleto de situações inesperadas que urgiam resolução meto a mão ao bolso e leio um anónimo “desejo”.
Que raio de onde terá vindo esta mensagem. Sorri e pensei “algum engano com toda a certeza”...
Os minutos foram passando e sinto nova vibração, desta vez fui com mais determinação, curiosidade e leio naquele pequeno visor luminoso “ardo”. Fiquei intrigado, nasceu em mim um nervoso miudinho a que não estou habituado... uma vez engano, duas vezes demasiado engano para o meu cepticismo.
Aquela fila interminável de carros não me dava tréguas. Eu que já tinha o cérebro a funcionar como um autêntico processador analisando variáveis e possibilidades, fazendo exclusões e inclusões, quem seria que me estava a espicaçar desta forma?
Só já pensava em sair dali de qualquer maneira. Não sabia bem para onde mas tinha de sair dali... Nova vibração e “escorro por ti”. Nesse momento, já nem conseguia muito bem o que fazer, apenas queria sair daquela massa de carruagens de lata às cores...
Finalmente um sinal, começámos a rodar, lentamente mas a rodar, ligo o rádio e tento distrair os sentidos entumecidos pela curiosidade e pelo desejo do desconhecido. Chego a casa e sinto no ar um aroma estranho, algo doce, algo oriental... mas desvalorizo. Falo para os meus botões “a mulher-a-dias tem bom gosto”, no momento em que releio as 3 sms, que sufoco não saber de quem poderiam ser...
Vou até ao quarto de banho e deixo a água lamber a minha pele, abrir-me os poros ... desejo que a minha pele respire, de caras para a parede sinto que os meus músculos vão cedendo ao calor convidativo daquele liquido divino.
Caio na cama ainda com algumas gotículas de água que escaparam à toalha e os meus olhos tombam ao peso daquele dia tão fora do comum... adormeço a pensar de quem poderiam ser as sms...
De repente sinto calor a entrar em mim, calor não! ... É desejo mesmo, o meu pénis ganha vida própria, calor húmido, um toque suave mas intenso...muito intenso, desejo abrir os olhos mas temo terminar com esta sensação que me varre o corpo...
Armo-me de coragem e entreabro apenas um olho ligeiramente, assim naquele impulso “se for sonho pode ser que se repita”, mas não, não era sonho, tinha uma mulher ajoelhada na minha beira engolindo o meu pénis todo, que sofreguidão, que desejo não lhe conseguia vislumbrar o rosto mas isso agora também pouco importava, que prazer tão intenso...
Senti as veias a latejar a cada chupão... arrepio a cada passagem naquela garganta ... a cada passagem de língua que remoinhava na minha cabeça a babar-se de tanta excitação... uma felação do outro mundo ... húmido, quente ... com aperto certo... no ritmo perfeito...
Pego instintivamente naquela cabeça, que não parava em movimentos ascendentes e descendes ... surpresa! Era a mulher-a-dias, decidiu dar uma arrumação no meu corpo, no meu sentir...
Se excitado estava mais excitado fiquei ... afinal de contas já tinha passado algumas vezes pelos meus toques “mano a mano”... digo -Anda roda o teu corpo, quero beber da tua vagina, tenho sede de ti...
Num abrir e fechar de olhos tinha sobre mim uma cascata de seiva que corria fio por fio e me lubrificava os lábios ... aroma a sexo puro e duro... sacio-me... a minha língua passa revista desde o ânus até ao clítoris, primeiro lento ... prolongando o toque, depois rápido e mais rápido até que aquela seiva translúcida toma uma cor esbranquiçada ... que 69 perfeito...
Gemo de prazer ... grito de prazer ... tenho de a travar ou não consigo manter mais o meu esperma no seu reduto, digo-lhe beija-me quero a minha língua na tua boca quero dar-te a provar o teu sabor e quero receber o meu... num rodopio desenfreado de línguas ... no tempo em que aqueles seios em pontas convidavam os meus lábios a degusta-los...
Que sensação maravilhosa, seios desenhados com traços de perfeição, rijos na densidade perfeita, a oferecer resistência a cada investida da minha boca faminta, sem abrir a boca monta em mim, pega no meu pénis duro e introduz lentamente, cm a cm na sua vagina crescida de tanto prazer... solta um gemido mudo... e começa.... começa a mover-se como se aquela posição fosse algo desde sempre ensaiado pelos nossos dois corpos... digo-lhe monta-me, rebenta com o meu pénis... mas parecia querer prolongar o momento e não me deu ouvidos... introduzo um dedo na sua boca para que ela o chupe...”toma enche de saliva”...
Assim que o senti completamente repleto de saliva introduzo-lhe o dedo no ânus, que reacção, parecia que o demónio lhe tinha entrado no corpo, contorção de prazer em toda a linha, molhou um dela e introduziu junto ao meu... dois dedos de duas mãos no mesmo ânus... enquanto o meu pénis trabalhava aquela vagina que parecia uma mão de seda ... com contracções que me levavam à loucura....
Olha-me com um olhar brilhante para mim, cada olho parecia um diamante finamente lapidado na penumbra daquele quarto. Retira o meu dedo, retira o dedo dela e num movimento de ancas impressionante aloja o meu pénis naquele ânus apertadinho e quente....
Monta em mim como uma louca jogando as crinas para trás, rápido... muito rápido tão rápido que já não consigo controlar .... começamos a gemer .... a criar uma melodia de prazer... quero aguentar mais um pouco, mas não consigo .... é forte demais ... é quente demais tenho de me deixar vir....ao tempo que me monta toca com a mão direita na sua vagina, fricciona-a cada vez com mais intensidade .... tanta que sentimos os dois corpos num espasmo conjunto abraçar-se .... soltei tudo de mim dentro daquele leito de prazer....
Quase perdemos os sentidos .... o suor brotava por todos e cada um dos nossos poros .... gotículas impregnadas de sexo...
Ela levantou-se ... olhou-me nos olhos... virou costas... e saiu. Senti a porta da rua fechar-se, durante todo o tempo desta loucura não lhe ouvi nem uma palavra... Pensei em levantar-me e ir atrás dela. No momento em que coloco um pé no chão... entra uma sms.
“hoje fodi-te eu, amanhã fodes-me tu”
Beijos e Abraços
Das Chamas do Fénix

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Corrente...

Caminho nos elos da tua corrente

Paro

Ausência do meu ente
Gélido este sentir ausente

Tombo

Silêncio das grilhetas polidas
Almas do seu altar caídas

Grito

Quebro o todo vazio... o nada
Sangro a vida castrada


Sopro

Ar dos pulmões cansados
Dos sonhos por outros abandonados


Vivo

Caminho nos elos da minha corrente
Jamais serei livre... apenas diferente


Beijos e Abraços
Das Chamas do Fénix

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

A Carta...


Desdobro-me sobre ti
Abro-te como aquela carta tua
Experimento-te nas frases em que te li
Possuo cada linha, cada traço da tua figura nua!!!

Lambuzo-me do teu perfume adocicado
Desejo preencher cada poro meu
Com o mel do teu doce pecado
E sentir em cada pedaço meu... um teu!!!

Letras desenhadas com curvas cuidadas
Danças de tinta paixão em folhas perfumadas
Onde os sentidos se deixam perder... arrastar
Nas imagens escritas que me fazem sonhar!!!

Pego em ti e volto a meter-te no teu leito
Espreito-te uma vez mais no encosto do meu peito
Sussurro no coração “hoje foi muito bom voltar a ter-te”
Sussurro na razão “hoje foi muito bom voltar a ler-te”


Beijos e Abraços
Das Chamas do Fénix

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Abandono...

Deixo-me cair no abandono
Abandono das pálpebras ao sono
Deixo que suba a maré
Que me aclare com vagas... me purgue a fé
As asas soltas no abandono das chamas
Espiral em abandono rumo às lamas
Fundações de areias movediças
Que te engolem sempre que a tua alma iças
Lamento a proliferação da alma comum
Que todos pensem como se fossem só um...
Porque a entrega ao abandono da diferença!?!
Não quero que a minha seja a tua crença
Munda que no teu fel de ouro definhas
Que estás certa que no teu passado o além adivinhas
Historias já um dia vividas... escritas
Por filósofos, sábios, homens de fé descritas
Mas és massa falsa...encriptada
Agora no meu abandono... ficas ai só... por mim abandonada

Beijos e Abraços
Das Chamas do Fénix

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Ecos...

Arrasto-me sobre os pedaços da minha história
Dias em cima de dias enterrados na memoria
Ergo os braços aos céus de outros deuses não meus
Desvio-me daqueles caminhos que já foram seus
Não necessito de trilhos já pisados
Pensamentos aglomerados...
Por outros seres criados ... engendrados
Para os sentidos de muitos findarem subjugados
Vozes... ecos... ditados à exaustação
Naqueles discursos talhados por medida
Grilhetas que tentam castrar a minha... a tua vida
Grita...luta companheiro de viagem
Façamos juntos o rio voltar à sua margem!!!

Beijos e Abraços
Das Chamas do Fénix

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Já Foste...

Tiveste tudo para caminhar
Um sonho que abriu janelas... deixou entrar o ar
Tiveste tudo em ti para viver
A chama que te iluminava sempre que te ias perder

Tiveste tudo para acreditar
Palavras ... factos, um simples respeitar
Tiveste tudo na tua mão
Um homem, um amigo, um coração

Tiveste tudo e sem nada ficas
Porque hoje o teu nome é “Já foste” !!!

Beijos e Abraços
Das Chamas do Fénix

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Volto a mim...

Volto a mim para me sentir
Quero ter-me... possuir-me renovado
Tive um dia de partir
Deixar o meu invólucro caído... inanimado
Deixo agora capitular os pedaços que não importam
Cacos de existências passadas sabor a fel
Arranco um a um, os sentires que se esgotam
Lambo qual cachorro a minha pele
Quero voltar para mim...
Encontrar a casa arrumada
Quero ser na minha estrada o fim...
Antes que o fim se transmute em nada!!!


Beijos e Abraços
Das Chamas do Fénix

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Menina, mulher...

Menina mulher de olhos tristes
Que tombo após tombo levantas... resistes
Menina fêmea que me enlouqueces...
Desde aquele dia que eu não esqueço... tu não esqueces

Dá-me essa tua mão em mim veludo
Dá-me esse singular sentir em mim tudo
Quero-te neste sentimento de egoísmo puro
Neste segundo, que de tão lento já é maduro

Flor que desabrochas na noite estrelada
Pedaço de natura da costela de alguém talhada...
Recebe este sopro de vida...brisa de amor...lufada
Faz de mim tudo... porque hoje...hoje sou sem ti...nada!!!

Beijos e Abraços
Das Chamas do Fénix

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Mentiras...

Não verdades castradoras
Palavras desonestas sentidas... sem asas voadoras
Ditas olhos nos olhos ... juras sem tento
Migalhas ... alimento do vagabundo sem alento

Bálsamo para as almas fracas sem norte
São facadas de traição nos guerreiros que não temem a morte
Mentiras repetidas ao esgotamento como verdades
Ilusões neste mundo de fraudes... balbúrdia de vaidades

Criadas na semente do interesse vil
Germinam no solo fértil desta nossa humanidade
Parem a fruta já podre na sua flor covil
Palavras envenenadas que partem e nem deixa a saudade!!!


Beijos e Abraços
Das Chamas do Fénix

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Ausência...

Ausência de tudo... pureza do nada
Silencio frio absoluto
Nada se solta da boca calada
Nada cai sob a língua enrolada no seu luto
Pensamentos fechados no seu reduto
Olhos espelhos baços sem alma
Tombam no peso do adormecimento poluto
Viagem que a quietude segue calma
Rio de sal que chegou à sua foz
Oceano quebrado em ondas mudas...ondas sem voz!!!

Beijos e Abraços
Das Chamas do Fénix

terça-feira, 20 de outubro de 2009

Revelo-me


Revelo segredos em mim contidos
Sonhos por viver ou já vividos
Revelo-me em gritos mudos indiscretos
Sons ocos, mas de sentires repletos

Revelo
Revelo-me

A quem me saiba ler me desnudo
Dou voz às palavras no meu mundo mudo
Revelo-me na existência da inexistência mundana
Revelo cada pedaço meu que a minha alma emana

Revelo
Revelo-me

Revelo os caminhos que já trilhei
Revelo-me nos amores que já amei
Abro o espírito às traições cometidas
Nesta vida vã ou então em outras de mim já idas

Revelo
Revelo-me

Revelo o que sou e não sou
Revelo-me no caminho que não sigo
No poema lavrado que alguém rasgou
No ter de ser algo mais do que consigo

Revelo
Revelo-me

Revelo-me como Fénix, ave mitológica
Revelo de mim a fuga a qualquer lógica
Revelo-me para aquele que para mim fala e eu respondo
Sou Paulo Gaminha e já nem de mim me escondo

Revelo
Revelo-me

Eu


Beijos e Abraços
Das Chamas do Fénix

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

O Canto da Sereia...

Cantou... soprou um mundo de fantasia
Luz... calma... paz, onde nada havia
Tornou a mentira na verdade incontornável...
em carícia tenra, pura inquestionável.
Navegamos entre vagas que pensamos próprias
Nadamos por entre histórias em outros impróprias
E ainda assim na minha cegueira
Não consegui vislumbrar a sua verdade ... verdadeira
Inebriante o seu canto de sereia feiticeira
Que me dobrou, vergou a vontade primeira
Naufrago fiquei no abandono da minha sorte nula
Ao sabor deste mar que me corta o ar... me anula
Ergo as mãos às estrelas... na procura do seu abraço celeste
Na esperança casta que elas me dêem... o que tu... tu nunca me deste!!!

Beijos e Abraços
Das Chamas do Fénix

sábado, 10 de outubro de 2009

Pausa de mim...



Já não se desprendem pedaços de mim para partilhar
Não encontro linhas no mapa… caminhos para trilhar
Vou fazer da minha existência uma simples pausa
Um pedaço de tempo caído… sem razão ou causa

Beijos e Abraços
Das Chamas do Fénix

terça-feira, 6 de outubro de 2009

Vazio Perfeito...


No vazio perfeito que me abarca a vida
Construo com vício uma não calma escondida
Grãos em cima de grão... praia nua
Praia sem mar... sem a onda que já foi sua!!!
Vazio perfeito... um frio diferente
Uma consciência inconsciente
Que embriaga ... domina
E a razão em fuga fascina
O perfeito não existia
Em lugar nenhum o havia
Até me abalroar este vazio sem defeito
Este vazio perfeito!!!

Beijos e Abraços
Das Chamas do Fénix

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Imaginação

Na noite sobre a minha pele caída ...
Sinto o clamor da tua pele saída
Vestida com a tímida luz da lua
Que cobre cada linha da tua figura nua
Soa “Leonard Cohen”... pano de fundo
Sinuosa figura a tua que não confundo
Deslizas como serpente por entre as finas vestes
Sobe o desejo na presteza com que te despes
Dança ... dança ... dança para mim
Faz com que essa tua dança não tenha fim
Seduz-me..fita o meu olhar... gata felina
Ata o meu corpo que esta alma já não domina
Meias negras... algemas de prazer
Incerteza que arrepia, tudo pode acontecer...
Na serenidade da música acelera a respiração...
Nestas quatro paredes ... cor paixão!!!
Baixa a tela desta encenação
Deixo o resto para mim ... ou ao sabor...
da vossa imaginação!!!

Beijos e Abraços
Das Chamas do Fénix

segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Parto...

Descrevo sem acerto um sopro que não te chega ao sentir
Tento marcar as minhas pegadas no teu firmamento
Espero..perscruto a cada instante o medo a tua palavra ao partir
Ela que se aproxima, que espreita o seu momento

Olho

Temo

Ao esculpir naquela praia o abraço que não te dou
Assino por debaixo aquele nome que não sou
Nas histórias de outras histórias com finais felizes
Que tomo como minhas... nas palavras que não me dizes

Sento

Aguardo

Que venha a ultima vaga e me arraste para o meu mar
Me embale num sono profundo .. . perfumado de paz
No aconchego da mortalha da luz do luar
Num tempo que não se fez... porque o tempo aqui jaz!!!

Abraço

Beijo

Silhueta no escuro... discreta em mim presente
Olhar que mal me toca ... mas o meu corpo sente
Num enlace encoberto pela bruma do teu toque inocente
Na consciência que tudo é apenas o meu inconsciente!!!


Acordo

Parto



Beijos e Abraços
Das Chamas do Fénix

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Deixa ...

Deixa a minha língua desenhar-te num beijo leve

Num ensejo da tua eternidade breve

Deixa a minha carne expandir-se no teu ritmo certo

Que torne lago o que antes era deserto

Deixa brotar a seiva da minha essência

Na pele imaculada da tua inocência


Deixa...

Deixa-te ir

Deixa...

Deixa-me vir



Beijos e Abraços
Das Chamas do Fénix

quinta-feira, 6 de agosto de 2009

Respostas...


Formulo as perguntas... esqueço as respostas
Dor insolente da minha alma encoberta
Conheço todos os passos que me pesam nas costas
Na memória sentida que a Lua no Sol desperta
Dança de sentires primitivos em nós tangíveis...
Que se tocam... amam ... cruzam impossíveis...
Nos círculos perfeitos na linha recta da vida dura
Esboços gravados numa tela de imagem futura
Soltam-se os momentos presos pelas correntes oxidadas...
Escorrem lentas as pérolas de cristal no meu rosto salgadas
Fascínio conciso num tempo sem tempo preciso ...
No grito que ao mar jogaste... um sinal ... meu aviso
Abro os olhos ... ergo a pálpebras ao acaso
Vislumbro a luminosidade da minha penumbra ocaso
Reformulo as perguntas ... encontro as respostas!!!


Beijos e Abraços
Das Chamas do Fénix

quarta-feira, 22 de julho de 2009

O meu Alentejo...


Erguido entre muralhas de pedra cal
Brancos espelhos ao Sol do meu Alentejo
Tapetes ao rubro no vento intemporal…
Terra minha, que em mim te sinto como te vejo!
Pareces deserto, mas és vida em explosão
Das tuas entranhas… ventre… brota o nosso pão
Das ervas selvagens fizeste tempero
Engenho da criação dos entregues à fome… desespero
Naco de terra gretada pelo Sol
Pintado de amarelo torrado…paleta girassol
Parido de ti sou eu e os teus filhos… meus irmãos
Que te alimentamos terra madre com o suor das nossas mãos
Um dia comerás o que restar no meu fim…
E eu te devolverei… tudo o que em vida me deste a mim!!!

Beijos e Abraços
Das Chamas do Fénix

segunda-feira, 20 de julho de 2009

O meu mar...



Hoje voltei às minhas origens…
Voei em picado pela sombra das minhas vertigens…
Hoje voltei ao meu mar…
Mergulhei
Dilui-me
Fundi-me nele
Voltei ao meu estado líquido
Hoje fui água
Matriz da tua frágua …
Hoje fui sal…
Acima de todo o bem e de todo o mal …
Hoje fui vagas em corpo nu
Hoje fui eu e fui tu…


A lágrima que de mim sai…
Que pela minha frente abre caminho… cai
Não é lágrima é um pedaço de ti … mulher
Toque do toque da fêmea que o destino ditou escolher…

Beijos e Abraços
Das Chamas do Fénix

quinta-feira, 16 de julho de 2009

Em tons de cinza...


Hoje escrevo em tons de cinza escuro
Eu que sou branco ou preto puro
A sina dita, que é nas cinzas que renasço
Que é nelas que me perco e mais tarde me acho
Lama empastada ... falso gesso
Sempre que as tuas lágrimas ensopam o meu pó
Criação desta representação de semblante espesso
Quebrada nas chamas em que te grito... não estarás nunca só!!!

Beijos e Abraços
Das Chamas do Fénix

quarta-feira, 8 de julho de 2009

Queria ser...

Queria ser uma ave... ter asas... voar
Queria ser um homem... ter imaginação ... fantasiar
Queria ser um mar... ter ondas ... navegar
Queria ser um caminho... ter um rumo... caminhar
Queria ser o Sol... ter luz... iluminar
Queria ser a Lua... ter mistérios... enfeitiçar
Queria ser chuva ... cair... chorar
Queria ser apenas eu... ter-me...abraçar-me... descansar

E querer por querer, queria eu um dia acreditar
Que basta querer para o que quero alcançar!!!


Beijos e Abraços
Das Chamas do Fénix

segunda-feira, 6 de julho de 2009

Não há poesia...

Não há poesia...
Há apenas maresia
Aroma a mar... lastro da hora vazia
Não há poesia...
Há apenas um sopro
O primeiro passo em esforço do pequeno potro
Não há poesia...
Há apenas solidão
Na cisterna de gente...seu nome multidão
Não há poesia...
Há apenas sentires
No olhar perdido quando chega a tua hora de partires
Não há poesia...
Há apenas repetição
Das historias recontadas sempre em nova versão
Não há poesia...
Há apenas uma palavra
Metamorfoseada na forma que em ti se crava
Não há poesia...
Há apenas o frio
Quando o nada é tudo e o tudo é vazio
Não há poesia...
Há apenas o deleite
Na mãe que alimenta... derrama o seu leite
Não há poesia...
Há apenas a lua
Brilho da noite sobre a pele nua
Não há poesia...
Há apenas o sol
Beijo inebriante que arrasta o girassol
Não há poesia...
Há apenas vida
Na aurora que a ti e a mim nos é devida
Não há poesia...
Há apenas fantasia
Na mascara da tragédia, arcano da alegria
Não há poesia...
Há apenas o pó
Partículas de mim quando em mim me encontro só
Não há poesia...
Há apenas o fim
O cessar do melhor e pior de mim

Não há poesia
Há apenas o que somos e não somos
Sentires lavrados por um ou mil assomos
Porque no final... após o livro encetado tudo é poesia!!!


Beijos e Abraços
Das Chamas do Fénix

segunda-feira, 29 de junho de 2009

Vórtice...

Pensamentos em espiral
Sonhos sonhados para lá do sentir
Onde tudo é nada e nada é normal
No vórtice em que me emaranho e me deixo cair
Nos sonhos pintados em cor sangue intenso
Sonhos saídos das entranhas duma virgem
Paridos pela imaginação dos crentes em que não penso
Seguidores de deuses já errantes na sua vertigem
Quero em mim desenhar uns pés com asas
Voar ... criar nas nuvens os meus poisos, as minhas casas
Sentar-me no seu beirado e saltar para o vazio
Sentir a chama fria... a lava gelada
Que jorra dos olhos da criança abandonada
Poema do meu poema reescrito vezes sem fim
E cada passagem, nova historia já vivida
Vórtice da minha escrita pedaços de mim
Na poesia que antes de nascer ... já era perdida!!!


Beijos e Abraços
Das chamas do Fénix

quarta-feira, 24 de junho de 2009

Latejar...


Sinto-me a latejar
Ondas sobre ondas ... num ir e voltar
Latejo sem qualquer pudor ou pejo
A cada carícia...a cada toque do teu olhar
Sinto-te em mim... forte tão forte...mas não te vejo
Diviso no horizonte uma insanidade de mim parida
Um nervosismo ... um tremor ... um pressagio
Uma barca à deriva de velas andrajosas
Na contenda... na fuga ao seu naufrágio
Sinto-me a latejar... loucuras afrontosas
Vórtice ...do meu sentir... teu plágio
Sinto o impulso... que de mim nunca saiu
Desconheço a sua essência...
Não sei se alguém a sente... ou se alguém um dia a viu
Latejo ... sentir para lá da castidade...inocência
Criança que cresce sem talo que a sustenha... alimente
No homem que tomba separado de si... demente
Disjuntiva transversal a esta urbe de não gente
Possuidora da verdade... com que nos engana... mente
Sinto-me a latejar... submerjo-me nas águas frias
Para melhor me sentir ... nas horas vazias
Sinto-me... sinto-me a latejar
Na ausência de mim... no vazio do meu ar!!!


Beijos e Abraços
Das Chamas do Fénix

segunda-feira, 22 de junho de 2009

Intensidez (Évora) - Uma noite especial

No passado dia 20 de Junho pelas 22h30m decorreu no magnifico espaço do Bibliocafé Intensidez em Évora a apresentação do meu Livro “Domador de Palavras”, quero aqui expressar publicamente os meu agradecimento a todos o que participaram e comigo colaboram em tornar esse dia num momento verdadeiramente especial.


Os anfitriões


Os nervos a apertar...


As famosas palmadinhas no micro... som ...som...


O arranque ... neste momento abriram-se as hostilidades


O Fénix já em velocidade cruzeiro...



Porque um autografo fica sempre bem...

Mais um vez agradeço a todos os que fizeram questão de estar presentes e colaborar... porque todos colaboram brilhantemente declamando, colocando questões, discutindo o Livro e o mundo da escrita... estiveram todos de parabéns... e a todos vós muito obrigado.

Beijos e Abraços
Das Chamas do Fénix

quinta-feira, 18 de junho de 2009

Vento...

Vento que não te vejo, mas me tocas a face
Que na tua invisibilidade estás presente
Vento sopro de tudo, que em tudo nasce
Força tua que em mim se sente...
Anda vem hoje tocar-me as asas de fogo...
alça-as rumo ao céu vestido de manto escuro
Faz com que brilhem como nunca o fizeram
Torna-me bola de fogo no infinito em que perduro
Alma eterna em corpo findo que outros devoraram...comeram
Restarão os ossos polidos ... armação não viva de mim
Vem vento... vem com toda a força da tua essência
Vem vento... solta-me das amarras...grilhetas de puas
Liberta para sempre estas mãos nuas...
Faz delas as tuas...
Quero voar contigo nas asas da inocência
E sentir a paz ... a paz da minha ausência...


Beijos e Abraços
Das Chamas do Fénix

segunda-feira, 15 de junho de 2009

Infinito...

Numa mão guardo o teu toque
Na outra guardo as promessas
As saudades são como vespas
E a loucura a carícia que me adormece
No infinito...
O Fogo frio que emano
A luz branca de pensamento insano
Quebrou-se no molde da boa sorte
Pelas flechas envenenadas, pronuncio de morte
No infinito...
Embalo na carícia não sincera
A cria na sua toca... juízo casto
Sentir em crescimento...cinza primavera
No crepúsculo dum olhar baço... gasto...
pelo Infinito...
Palavra sujas que solto no ar
Nos rascunhos das cicatrizes... rasgos ao luar
Coisas que não ensinam, nem avós nem pais...
Caminho inexplorado...este por onde vais...
ao infinito...
Tomo o longínquo como perto...
Tomo a mentira como o certo...
Não se distingue o arbusto da raiz
Do caminhante que caminha sem país...
Rumo ao infinito!!!

Beijos e Abraços
Das Chamas do Fénix

sexta-feira, 5 de junho de 2009

Não Paz


Oiço ao longe os pássaros na bruma
Chamam por mim
Oiço o vento na carícia à sua duna
Clama por mim
Oiço os gritos do nada
Chamas de mim
Luz em decadente espiral
Baloiço…
Voo em picado
Voo final

Descanso

Remanso

Nesta ultima etapa... ultimo lanço

Nesta não paz... que aqui jaz

segunda-feira, 1 de junho de 2009

Porque serás sempre assim em mim...

Parabéns minha filha... parabéns minha criança... Beijo em ti



segunda-feira, 25 de maio de 2009

Vagas...


Vagas..............Vagantes
Vagas..............Vagabundas
Vagas..............Vagarosas

Vagas em cima de Vagas

Vagas a vaguear em mim

Vagas do meu mar

Ficou a vaga espuma



Beijos e Abraços

Das Chamas do Fénix

terça-feira, 19 de maio de 2009

Estou fodido ...



Se na minha alma reza o hino do dever cumprido
Se nas horas vazias de nada estou arrependido
Se nos momentos de não calma sou comedido
Porque raio deslassado... estou tão fodido!!!

Rasguei bandeiras
Prometi devoção
Saltei Fronteiras
Na bravura deste coração!!!

E ainda assim ... estou tão fodido

Inóspitas realidades que se transmutaram
Cobardias acidificas que me incandesceram
Nos combates em cima de combates que se perderam
Nas vozes irascíveis que os meus ossos roeram

Estou fodido...

Admito sim... estou muito fodido
Não por esta ou aquela contenda ter perdido
Mas por não esquecer o que de mim jamais foi esquecido
Curtumes...tiras de pele do meu sentido endurecido

Estou fodido ...

Na minha querença de vencer...
No desígnio do meu perscrutado querer
No resquício deste sentir sem prescrever
Estou fodido sim... e ainda assim com tanta vontade de foder!!!

Beijos e Abraços
Das Chamas do Fénix

quarta-feira, 13 de maio de 2009

De partida...

Vou pedir ao vento que me arraste a alma para o longínquo deserto
Vou partir de mim...
Vou pedir ao mar que me arraste para aquele longe que já foi perto...
Vou partir assim...
Vou pedir à terra que me cubra o corpo, como pelo corpo de alguém já foi coberto...
Vou partir por fim

Estou de partida!!!


Beijos e Abraços
Das Chamas do Fénix

segunda-feira, 11 de maio de 2009

Condenado...

Condenam-me ao amar dos mortais...
Sentimentos vulgares ... sentimentos normais
Condenam-me a ser humano... um simples perdedor
Depois de ter inventado um sentimento que torna pequeno o amor!!!

Serei louco, metamorfoseado, autista
Copia de um original... falso poeta... artista
Não...não me parece... sou ave Fénix... alada
Que quer iluminar o vazio frio de mim ... para além do nada!!!

Porque me condena então o destino atroz?
Grito-lhe... grito-lhe, mas não ouve a minha voz
Vil castrador, que me arrasta de amarras em amarras
Que me corta as asas... me desgasta as garras!!!

Condenado estou em viver a vida que não sou...
Em fingir que a memória das minhas memórias se afogou...
Dirão os eruditos que escolhemos o que queremos
Que o destino somos nós que o fazemos...

Pobres profetas, nas suas certezas confusos
Que entendem que a vida de todo mundo
Sendo nas suas próprias básicos... atados... ilusos...
Nos pensamentos que ditam... poços sem fundo!!!

Se condenado então estou, não aceito nem me deito...
Pois só conheço a cara do carrasco...nunca vi o Juiz
Acorrento-me ao meu sonho perfeito não desfeito
Na espera que alguém me condene pelo que não fiz!!!


Beijos e Abraços
Das Chamas do Fénix

quarta-feira, 6 de maio de 2009

35 anos...


Bem reza a história que o Fénix nasceu a 6 de Maio de 1974 ... cumpre hoje portanto 35 anos.
Resta-me dar-me os parabéns... se é que os mereço... mas só pelo facto de aqui ter chegado como o fiz acho que sim....

Beijos e abraços
Das Chamas do Fénix

segunda-feira, 4 de maio de 2009

Só areia...



Sou barcaça que ao mar se fez…
Sou carcaça que nas suas vagas… rochas se defez…
Hoje sou assim…
….uma praia só de areia

Beijos e Abraços
Das Chamas do Fénix

quinta-feira, 30 de abril de 2009

As origens do Domador de Palavras...


Hoje vou fazer uma pequena brincadeira... minha mãe abriu no outro dia o baú das memórias e encontrou os meus teste da 1ª à 4ª classe...
Vou aqui transcrever na integra com erros e tudo a minha Composição realizada em 12 de Junho de 1984... portanto à 25 anos atrás....

“Compõe uma pequena história baseada na seguinte ideia: “Se eu pudesse voar como as andorinhas, para fugir ao frio do Inverno, viajaria para...”

Se eu pudesse voar como as andorinhas para fugir ao frio, viajaria para Marrocos.
Então construiria o ninho. Aí o calor era intenso.
Via as barcaças Portuguesas e Espanholas a pescar bacalhau.
Lá as pessoas usavam umas ropas muito parecidas com mantas sobrepostas uma em cima das outras.
Então teria de me acasalar cm uma andorinha (fêmea) para voltar para a minha terra natal.
Lá já se estava a por o Sol om lindas fitas colorias

Campo Maior, 12 de Junho de 1984
Paulo Jorge Canelas Gaminha n.º 21
(reparam que este jovem com 9 anos já pensava em acasalamento.... :) )
Beijos e Abraços
Das Chamas do Fénix
Ps: Bom fim-de-semana a todos os meus amigos

quarta-feira, 29 de abril de 2009

A minha voz...

video

Caros amigos,


Para quem já conhece a escrita e nunca teve oportunidade de ouvir a voz... aqui está ela...


A minha entrevista na RCM no programa entre conversas...



Beijos e Abraços

Das Chamas do Fénix


domingo, 26 de abril de 2009

Fala comigo...

Diz-me amigo…
Fala comigo…
Se de onde eu venho não há mar…
Como lhe reconheço a minha origem… meu lar!!!

Diz-me amigo…
Fala comigo…
Corta essa mordaça mordaz
Que te castra daquilo que és capaz!!!

Diz-me amigo…
Fala comigo…
Se estou rodeado de multidão… urbe de dó
Porque em mim quando falo contigo… estou… me sinto só!!!

Diz-me amigo
Fala comigo
Antes que me transforme… abandone o meu chão semente
Antes que esta pena se silencie para sempre…

Fala amigo… fala comigo!!!

Beijos e Abraços
Das Chamas do Fénix

sexta-feira, 24 de abril de 2009

E amanhã....

Caros amigos,

Amanhã dia 25 de Abril de 2009 irei estar entre as 15h e as 17h no conceituado Bibliocafé Qalma em Elvas a realizar uma Sessão de Autógrafos do livro “Domador de Palavras”.
Apareçam neste agradável espaço com um excelente ambiente e desfrutem da melhor cultura com o melhor café...
Bom fim-de-semana, bom feriado

Beijos e Abraços
Das Chamas do Fénix

quarta-feira, 22 de abril de 2009

Linhas descritas

Rasurado que está este meu e só meu sentir...
No murmúrio que o vento deixa ao partir
Consternação na ausência de mim caída
Onde a chegada toma o nome de partida!!!

Lezíria presa à margem dura rasgada
Onde quero um dia ser tudo e hoje sou nada
Circo de sentires abafados na saudade
Desse ser só... imaculado... sem maldade

Que essência é esta afinal
Razão insana nascida de mim
Pecado eterno... pena em outros capital
Deste caminho não trilhado... mas que lhe conheço o fim.

Uns chamam-lhe cruz...outros Karma... outros destino
Traços já adivinhados... nas letras da memória...meu hino
Que sorte é esta a que lhe chamo azar
No laço corrido que me prende as asas, me corta o voar

Loucuras desatadas ... brotadas da dor
Servas num mar de cinzas sem cor
É desabafo em linhas descritas
No sentir que aqui dito e não acreditas !!!


Beijos e Abraços
Das Chamas do Fénix

sexta-feira, 17 de abril de 2009

Nas tuas margens...

Brotei lá no cimo da montanha
Abri caminho por entre a fria natura
Nasci Rio e a ninguém de ninguém estranha
Esta minha corrente jornada... corrente futura
Desejo torna-te o meu rego... meu leito
Manter-me prisioneiro nas tuas margens
Rodopiar, avançar, desdobrar-me, remoinhar no teu peito
Cruzar nas tuas pontes... passagens
Sentir o toque das tuas pedras em mim a rolar
Afagos que me agitam... me alçam a voz
Nesta ânsia desmedida de chegar ao teu mar
Minha meta...meu final...minha foz
A ti e só a ti... sussurrar-te baixinho...és Vida !!!

Beijos e Abraços
Das Chamas do Fénix

Ps: Bom fim-de-semana amigos

terça-feira, 14 de abril de 2009

Por que caminhos andaste tu...


Por que caminhos andaste tu...
Que arados de memórias lavraram esse teu rosto
Porque ao olhar-te me sinto nu?
Nesse teu olhar sobre o passado...futuro desgosto
Sulcos de carne dobrada na tua pele queimada
Na sua história sem glória pelo Sol desfolhada
Por que sonhos voaste, sem as asas da esperança
Que um dia te disseram ainda és tu...ainda és criança
Sonhos de olhos azul céu... espelhos abertos ...
Nesses campos de pedras sobre pedras... vazios...desertos
Por que batalhas andaste armada de foice e vontade
Que te marcaram o corpo ... e só deixaram saudade
Como queria eu ser como tu... um dia antes de partir
Chorar ao passado no mesmo tempo... que ao amanhã sorrir!!!

Beijos e Abraços
Das Chamas do Fénix

quinta-feira, 9 de abril de 2009

Desenhar-te...


Hoje vou desenhar-te… desflorar esta folha pura
Estampar nela os teus traços … a tua figura
Escrevinho os teus longos e selváticos cabelos
Caracóis soltos … em presos novelos
Alinho em linhas soltas... esse teu rosto
Desalinho com carinho os teus peitos … meu encosto
Esculpo o teu ventre… planície sem fim
Percorro a tua figura … como a tenho em mim
Termino este teu desenho… traço perfeito
Do corpo que és… da mulher em que me deito!!!

Beijos e Abraços
Das Chamas do Fénix

Ps: Boa Páscoa a todos os meus amigos